Na sala de estar: Bênção ou maldição?

Por Angela Dutra

  • Compartilhe



A TV é sem dúvida, o meio de comunicação mais popular e influente nos nossos dias. Num paralelo entre elogios e críticas, a TV brasileira tem se transformado numa grande ferramenta para a desmoralização dos valores e princípios éticos, que norteiam a família.

À medida que o aperfeiçoamento da tecnologia avança, os subprodutos desse veículo de massa são levados instantaneamente para dentro dos lares, provocando nas famílias mais abastadas ou nas mais miseráveis, os efeitos negativos e sórdidos em todas as áreas da vida de seus telespectadores, exercendo influências devastadoras na formação do caráter, pelo seu poder nocivo de persuasão.

Não podemos negar que a TV tornou-se um poderoso modificador de mentes e condutas, influenciando hábitos e costumes em todas as faixas etárias, atingindo principalmente as crianças, adolescentes e jovens.

Apesar de ser um dos maiores inventos de todos os tempos, o submundo da decadência humana é expresso através da apologia ao sexo descomprometido, ao uso de drogas, a banalização da família, incentivo ao erotismo, prostituição, violência, corrupção, baixaria e imoralidade.

O pecado é exaltado o tempo todo, como se fosse o melhor prato do dia, e a mais degradante imundície é arrastada para o centro de nossas vidas, sem ao menos nos preocuparmos com o lixo cultural e outros tóxicos mentais, corrosivos de boas índoles, e causadores da maioria dos males da sociedade atual.

Mas convenhamos, somos os responsáveis pela deturpação da ideia inicial, que seria a de promover educação, cultura, utilidade pública e entretenimento saudável, quando somos permissivos a todo esse lixo instaurado na sala de nossas casas, oportunizando que pessoas inescrupulosas e insanas, sem o mínimo temor a Deus, sejam os responsáveis por nos entreter e manipular nossos conceitos.

A Bíblia nos adverte: “Não se enganem: As más companhias estragam os bons costumes”. (1o Coríntios 15.33)

Cabe aqui uma densa reflexão: O trabalho de criar filhos de caráter, respeitadores e honestos, nunca foi tão difícil quanto nos nossos dias, mas isso não nos isenta de nossa responsabilidade e missão.

Um texto Bíblico explica isso melhor: "Eis que os filhos são herança do SENHOR, e o fruto do ventre o seu galardão." Confira na Bíblia Salmos 127:3.

Sendo assim, cabe aos pais educá-los, protegê-los e orientá-los, pois a TV tem se tornado a babá eletrônica em muitos lares, abalando as estruturas familiares pelas práticas contrárias aos bons costumes, sujeitos a todos os tipos de sensações e estímulos traumáticos do ponto de vista moral, buscando desqualificar os ensinamentos de Deus para o bom andamento da família e da sociedade como um todo.

Chega de aceitar o inaceitável. Precisamos assumir o controle remoto. Basta de tanta podridão, irreverência, banalidades e vulgaridades na nossa sala de estar. Precisamos salvar nossas famílias desse lamaçal de destruição visual enquanto há tempo.

Sejamos seletivos ao material que estamos permitindo que adentre nossas casas. Optemos pelos programas que promovam a paz, a harmonia da família e os valores cristãos, fazendo-nos crescer e não retroceder.

Chega de consumirmos porcaria que não acrescentam sabedoria ao nosso estilo de vida. Vamos separar o joio do trigo e educarmos nossa geração a reter somente o que é bom, afinal ninguém fará o nosso papel melhor do que nós mesmos.

Que Deus nos dê discernimento para rejeitarmos o que é desfavorável aos princípios d’Ele, e que possamos priorizar suas leis e seus decretos, dominando nossas vontades de ver ou ouvir coisas nocivas à moralidade e principalmente à nossa vida espiritual e daqueles que amamos.

Tenham todos (as) uma semana feliz, e repleta do cuidado de Deus.

 

*Por Angela Dutra

*Jornalista, Cantora e Educadora Cristã

  • Compartilhe